1. Erros grosseiros de português

Os erros graves de português podem ser um problema para os Advogados. Muitas vezes são erros que poderiam ser evitados com uma rápida revisão antes de realizar o protocolo. Esses erros podem passar uma imagem de desleixo e prejudicar a credibilidade do profissional.

Não estamos falando aqui de erros de digitação. Eles acontecem e são facilmente identificados, não prejudicando a análise do teor da petição. Mas claramente, a revisão do texto também pode evitá-los.a

2- Petições mal elaboradas

Esse tipo de erro também está ligado ao uso incorreto da língua portuguesa, principalmente com a gramática. Petições sem pontuação ou sem concordância verbal/nominal acabam por gerar textos sem coerência/coesão.

Diferente dos erros de digitação, uma petição mal elaborada pode prejudicar até mesmo a análise do pedido. Não são raras as vezes em que são proferidos Despachos no sentido de que o peticionário esclareça o que pretende com a petição de fls. X.

Além de prejudicar a imagem do Advogado, esse tipo de petição pode prejudicar o cliente, titular do direito pretendido. E, vale lembrar que, um cliente insatisfeito não falará bem do profissional, dificultando a conquista de novos clientes.

3. Comportamento inadequado

Como já dito em textos anteriores, exige-se do Advogado uma conduta compatível com o exercício da profissão, de modo que o comportamento inadequado pode ser um erro muito prejudicial à sua carreira.

Podemos separar a questão comportamental em três níveis: Comportamento forense, atendimento ao cliente e comportamento pessoal.

Vou abordar brevemente o assunto, eis que pretendo elaborar um artigo específico sobre o tema. O principal aqui é demonstrar que o Advogado deve sempre evitar agir inadequadamente.

3.1. Comportamento forense

É importante destacar que o Advogado jamais deve abordar o cartorário de forma grosseira ou arrogante. Ao contrário, a educação e a humildade são virtudes que devemos praticar todos os momentos de nossas vidas.

Além disso, discutir com funcionários do Judiciário ou de outras repartições públicas não vai ajudar em nada no processo, de modo que a paciência também deve ser um ponto importante no exercício da profissão.

Caso entenda que foi mal atendido ou desrespeitado, poderá levar o caso ao Magistrado ou aos canais de reclamações dos órgãos competentes. Desse modo, discutir em balcão não deve ser uma opção.

3.2. Atendimento ao cliente

O comportamento inadequado com um cliente pode ser fatal para a reputação de um profissional da Advocacia. O famoso “boca a boca” continua sendo uma ferramenta poderosa para conquistar clientes. Assim, um cliente que não é tratado de forma adequada, levará seu caso a outro profissional e, com certeza, não divulgará seus serviços a outras pessoas.

3.3. Comportamento pessoal

Já falamos sobre isso no texto sobre marketing pessoal e de conteúdo. A vida social que o Advogado leva é observada por toda a população, haja vista se tratar de uma profissão respeitada e de destaque. É comum no ser humano observar pessoas de destaque na sociedade para encontrar erros e apontá-los, de modo que é muito importante que a vida de um profissional do Direito seja condizente com o exercício da profissão.

Tal fato nos remete ao uso das redes sociais. Atualmente é comum a divulgação do cotidiano nesses aplicativos. Momentos de lazer, de trabalho, de reflexão, tudo é amplamente divulgado na rede.

O grande erro das pessoas é acreditar que a imagem pessoal não interfere na profissional. Seus contatos nas redes sociais são potenciais clientes e, algumas postagens podem influenciar no modo como as pessoas te imaginam como profissional.

Autor: Rafael Francatto Assunção,

Chefe de Seção Judiciário no Tribunal de Justiça de São Paulo

e Idealizador e fundador da Página Viver de Direito