TI

Muito além das fronteiras

Os cidadãos brasileiros no exterior e estrangeiros vão encontrar ainda mais agilidade na hora de obter documentos cartoriais como certidões de nascimento, casamento, atestados, testamentos e vistos nos consulados no país e no mundo. Esses benefícios começam a ser obtidos com a implantação do Sistema Consular Integrado – Nova Geração (SCI-ng).

Oferecer mais segurança e modernidade ao trabalho consular brasileiro é também uma das metas da nova geração do sistema. A tecnologia, desenvolvida pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) em parceria com o Itamaraty, está em fase experimental avançada.

A primeira versão desse sistema foi lançada em 2009. Em novembro do ano passado, o Brasil iniciou o projeto-piloto da nova versão, o SCI-ng, nos postos consulares do país e em cinco repartições no exterior: Santiago (Chile), São Francisco (EUA), Londres (Inglaterra), Genebra (Suíça) e Porto Príncipe (Haiti).

“O avanço dos últimos anos foi baseado na informatização dos procedimentos tradicionais, ou seja, na modernização da emissão de documentos. Da máquina de escrever para a impressora”, afirma Roberto Parente, coordenador-geral de Planejamento Consular do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

O coordenador-geral defende que a etapa que começou com o Sistema Consular Integrado – Nova Geração (SCI-ng) faz parte de um segundo ciclo de evolução. “Essa fase proporcionará mais segurança, que é uma preocupação crescente no trabalho consular, e terá foco na integração de sistemas de inteligência e segurança do Estado brasileiro”.

Foco no cidadão

Armando Barros, coordenador do projeto no Serpro, conta que a nova arquitetura web gera melhor desempenho e usabilidade para o sistema e maior flexibilidade na utilização de periféricos envolvidos na produção dos documentos de viagem. “Aumentamos a compatibilidade com outros fabricantes, o que proporciona mais economia na aquisição dos equipamentos por parte do MRE e facilita a evolução tecnológica do sistema”, constata.

Ele destaca que a implantação do Nova Geração trouxe o foco para as pessoas e não para os documentos. “Teremos uma visão mais moderna e um conjunto de informações mais rico”, comemora Barros. Roberto explica que o antigo programa é concentrado em documentos, a busca é centralizada em requerimentos. “O SCI-ng mudará essa lógica porque é orientado por nomes. Nós vamos ter um cadastro de pessoas, com um controle mais eficiente da emissão de documentos, com informações abrangentes de brasileiros ou estrangeiros”, avalia.

anuncios0
anuncios0

press to zoom
Anuncio 02
Anuncio 02

press to zoom
Anuncio 01
Anuncio 01

press to zoom
anuncios0
anuncios0

press to zoom
1/3