top of page
  • Paranews

Ex-jornalista Ivan Safronov é condenado pela justiça russa a 22 anos de prisão por traição



Ivan Safronov será preso por "traição". A acusação alega que o jornalista teria divulgado informações confidenciais para a República Tcheca.


Um tribunal russo condenou nesta segunda-feira (5) o ex-jornalista Ivan Safronov a 22 anos em uma colônia penal depois de considerá-lo culpado de traição, em um caso histórico para a repressão do Kremlin à liberdade de imprensa.


Safronov, ex-repórter de defesa dos jornais Kommersant e Vedomosti, que se tornou conselheiro do chefe da agência espacial russa, foi preso em 2020 e acusado de divulgar informações confidenciais.

Ele nega as acusações de passar segredos militares sobre vendas de armas russas no Oriente Médio e na África para a República Tcheca, membro da Otan, enquanto trabalhava como repórter em 2017, chamando as acusações de "uma completa caricatura de justiça e bom senso".


Safronov disse que os investigadores do Estado apontaram envolvimento dele com um jornalista tcheco que conheceu em Moscou em 2010, que mais tarde criou um site para o qual Safronov disse ter contribuído, usando informações inteiramente baseadas em fontes abertas.


Os advogados de Safronov disseram à agência de notícias RIA Novosti que vão recorrer do veredicto.


Seus apoiadores dizem que o caso é uma retribuição por sua reportagem que expôs detalhes dos acordos internacionais de armas da Rússia.


"Todo mundo que é próximo de Safronov acredita que a acusação de traição é absurda", disse a jornalista Katerina Gordeeva depois de entrevistar sua mãe, irmã e ex-colegas para um documentário sobre o caso.


Antes da sentença, a União Europeia pediu à Rússia que retire todas as acusações contra Safronov, 32, e o liberte incondicionalmente.


Fonte: G1.

9 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page