Evandro Corrêa Comunicações

Amazônia

Barcarena, 31/08/2017 às 12:00

Marinha vai intensificar fiscalização de tráfego de navios e embarcações

Decisão faz parte de estratégia traçada por órgãos públicos e comunidade para garantir manutenção dos meios de sobrevivência no Furo do Nazário, na ilha das Onças

 

A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental, vai intensificar a fiscalização da navegação no Furo do Nazário, na ilha das Onças, em Barcarena, município vizinho a Belém (PA). O objetivo é evitar que os impactos do tráfego de embarcações prejudique a pesca e o extrativismo na região.

 

A decisão foi tomada na última terça-feira (29/08) em reunião em Belém convocada pelo Ministério Público Federal (MPF) em atendimento à comunidade tradicional do Furo do Nazário.

 

A fiscalização da Capitania dos Portos vai analisar principalmente se o porte e a velocidade das embarcações que trafegam pelo local – incluindo jet skis – estão compatíveis com o que prevê a legislação (porte de até 15 metros e até 10 arqueações brutas, e velocidade até cinco nós).

 

A Capitania dos Portos também comprometeu-se com o MPF a capacitar os moradores para que eles auxiliem na fiscalização. O objetivo é que a comunidade passe a relatar para a Capitania as ocorrências de irregularidades.

 

Também na reunião desta terça-feira os moradores decidiram solicitar à Secretaria de Estado de Turismo apoio na confecção e instalação de placas informativas sobre as regras para o tráfego fluvial na região.

 

O MPF comprometeu-se a vistoriar a região do Furo do Nazário para levantar dados que possam apontar outras medidas de defesa da garantia do modo de vida da comunidade.

 

Impactos – O trânsito intenso de navios e jet skis pelo Furo do Nazário é resultado de duas características do local: além de ser um ponto turístico, é também um ponto utilizado como atalho para o tráfego fluvial.

 

Como também é frequente, segundo a comunidade, o desrespeito às leis do tráfego fluvial, os impactos são vários: danos a materiais de pesca, afugentamento de peixes e do camarão, assoreamento e desbarrancamento nos rios, erosão de áreas das margens – o que prejudica a extração de açaí, poluição gerada pela limpeza de barcos (contaminação das águas por óleo lubrificante, óleo diesel e água sanitária, por exemplo) ou pelo uso irregular do rio para despejo de lixo, além de acidentes entre as embarcações e do aumento do número de assalto por piratas.

 

comentário

Comentar